sexta-feira, 30 de maio de 2014

American Airliners 213: o voo que terminou em Goiânia

No dia 27 de maio o Aeroporto Internacional de Brasília ficou fechado para pousos e decolagens por 40 minutos e alguns voos, entre eles dois internacionais (AA e Delta), tiveram de alternar para o Aeroporto de Goiânia. Após a liberação do tráfego para a aeronaves decolarem novamente para Brasília, começou o grande problema para os passageiros da America Airliners.

A aeronave utilizada nos voos entre Miami e Brasília, é o Boeing 757-223 para 182 (16 - Executiva / 166 - Econômica) passageiros, registrado como N196AA, que foi recebido da Boeing e está voando na companhia americana desde novembro de 2001. Após pousar em Goiânia, o B757 da American Airliners entrou em manutenção não programada e partir daí não pode mais decolar do aeroporto Santa Genoveva sem a liberação de um mecânico da empresa.

Como o Aeroporto de Goiânia não tem nenhuma estrutura de alfândega, pátio e equipamentos para receber passageiros internacionais e aeronaves de grande porte, os passageiros tiveram de esperar por mais de três horas dentro da avião para que a administração aeroportuária organizasse um plano de emergência para recebê-los.

Assim, uma escada de manutenção usada pelos técnicos da GOL foi utilizada para desembarcar os passageiros. Um Microônibus da Infraero e VANs de empresas particulares foram escaladas para transportá-los da posição da aeronave até a uma sala improvisada, que é o atual saguão de espera do terminal de passageiros. A separação dos clientes "internacionais" para os clientes comuns foi feita por carrinhos de bagagens que impediam a passagens das pessoas, além do acompanhamento de policiais federais e funcionários da Infraero.

Depois de horas em Goiânia, foram contratados quatro ônibus para levar os passageiros até Brasília, e assim terminar a viagem de Miami à capital brasileira, que durou aproximadamente 18 horas. Em matérias divulgadas pela imprensa em geral, os passageiros reclamaram do descaso da companhia americana que pelas declarações não prestou nenhuma assistência em especial,

O Boeing 757 ficou em Goiânia até o início da madrugada do dia 28, onde no período da tarde um mecânico veio de Guarulhos-SP liberar a aeronave e assim, permitir a decolagem para Brasília e transportar os passageiros do voo AA 214 do dia 27/5 que foi cancelado.

Segue os registros feitos de todo esse evento atípico no Aeroporto de Goiânia.




3 comentários:

João Paulo Rodrigues dos Santos disse...

vergonha, um aeroporto que não é capaz de de atender um simples 757 que nem é uma aeronave muito grande, imagine se fosse um 767,A330 pior um 777 ou A340 estariam perdidos, enquanto o santa genoveva não for privatizado vai continuar essa merda.

Pablo disse...

Um a340 em gyn fecha o aeroporto, ate uma 330 ja faies causar um caos.

Unknown disse...

Que vergonha! 3 horas dentro do avião.
O Santa Genoveva é uma vergonha para o povo goiano.
Essa ampliação já está obsoleta. Já que é o Aeroporto "Internacional" de Goiânia.. devia ter estrutura melhor. Eu tenho vergonha de falar que tenho que usar o Santa Genoveva... Está história já cansou a população... Uma pena!