Terminal de passageiro e pista do aeroporto de Rio Verde serão modernizados

A prefeitura, em parceria com o governo federal, estadual e a AGETOP (Agência Goiana de Transporte e Obras) modernizará o Aeroporto General Castro Leite, em Rio Verde. Ao todo será liberado treze milhões de reais para a realização da obra, sendo três milhões para ampliação do atual terminal de passageiros e dez milhões para reconstrução e expansão da pista e do pátio de aeronaves.

O terminal de passageiros vai receber a instalação de uma esteira para restituição de bagagem, equipamento de raio-x e pórtico detector de metal, além de expandir os balcões de atendimento e espaço para espera dos passageiros. 

O comprimento e a largura da pista do aeroporto de Rio Verde também serão ampliados, e vão passar de 1500x30 para 1800x40 metros de comprimento/largura. Abrange a obra um recapeamento na pista, que vai possibilitar a cidade de receber sem nenhum problema aeronaves mais pesadas.

Com essa obra, a prefeitura e o governo de Goiás espera que o aeroporto se desenvolva e absorva novos voos para atender a demanda da população do sudoeste goiano. Atualmente, a AZUL Linhas Aéreas opera dois voos diários para 45 lugares, de segunda a sexta-feira. Aos finais de semana, a operação se restringe apenas um voo.

A PASSAREDO já demonstrou interesse em operar na cidade, ligando o interior goiano a capital paulista. Já a AZUL aspira em expandir as suas operações na cidade, com mais um voo entre Rio Verde à Uberlândia, com escala em Goiânia. Ambas as companhias tem a intenção de operar com o ATR 72-600 para 70 passageiros. Para isso, a modernização do aeroporto é extremamente necessária.


Comentários

Lucas RVD disse…
Vamos ver se desta vez sai essa reforma/ampliação. Desde 2010 estão falando nisso e nada até agora. Com a entrada do Governo Federal nesta história, acho que tem chance de se concretizar.
Por ter companhias interessadas, Rio Verde merece mais. Uma pista de, no minimo, uns 2500 metros, além de um terminal com umas duas pontes de embarque para solucionar o problema a longo prazo. Não desmerecendo as obras que serão feitas, mas para o potencial da cidade e do sudoeste goiano, não há o que contestar, é pouco!